Coração de Ébano

tumblr_n0mk7jt1dz1tr7yp3o1_500

Por: Natasha Morgan

 

As sombras sempre a acolheram num abraço sedoso. Roçavam sua pele com pequenas carícias geladas, aquelas brumas escuras e sedutoras. O frio era bom, envolvia sua alma com gentileza. Era acolhedor. Seco. Intrínseco.

Num abraço, num roçar ocasional, ela sempre se sentira acolhida.

Ou não sentira absolutamente nada.

As sombras a tornaram fria. E o frio era bom.

Ao menos sempre se sentira extremamente confortável.

Scatha a reivindicou como sua filha anos atrás, forçando-a a abraçar as sombras que ela tanto temia e trancafiava dentro de si. Quando as deixou entrar libertou-se por completo. Deixou para trás a garota amedrontada, sentimental e insegura que fora Báirbre e se tornou a mulher de sombras.

Ebony.

Não sentia.

Absorvia. Continuar lendo “Coração de Ébano”

Bloody Mary

Escrito por Naiane Nara

É uma dor estrondosa a que sinto; torna o simples ato de respirar me fazer ter vontade de morrer. Houve uma época em que senti amor e vi a vida como luminosa e bela… Mas isso foi quando eu era muito jovem. Agora sinto apenas o vazio e a dor. Física, dessa doença maldita que está me consumindo, e a dor na alma, a dor do abandono, o vazio puro e simples.

Continuar lendo “Bloody Mary”

Senses – Cap 2

 

Casal Apaixonado - Beijo sobre Nova Iorque

Por Mille Meiffield

Por volta das oito da manhã, desci do terraço e preparei uma mesa de café da manhã bastante nutritiva, criativa e variada. Fiz duas jarras de suco de laranja, chá de maçã e hortelã, mais café. Coloquei algumas torradas em uma bandeja, cortei algumas frutas que encontrei na geladeira, peguei manteiga, requeijão e alguns outros cremosos para por no pão e coloquei numa vasilha fragmentada que encontrei em um dos armários. Vincent levantou antes de Hallie e piscou os olhos várias vezes para focar aquela mesa repleta de comida.

Continuar lendo “Senses – Cap 2”

Return

 

img_4432

Escrito por Naiane Nara

 

É difícil não seguir o instinto: ele comanda desde o início dos tempos. Meu corpo está quente, posso sentir o suor pegajoso se agarrando à minha pele. As minhas mãos tremendo dessa maneira também não ajudam.

Meus pés estão muitos leves; não consigo sentir minhas pernas direito. O coração acelerado, pulsando, me manda ir em frente e encontrar aquele cheiro ferroso do líquido grosso e morno que preenche as estranhas de todos os seres vivos.

Sangue, meu segredo de juventude particular.

Continuar lendo “Return”