The Bite Pt. 2 – Fome Abrasadora

fb_img_15328741630241511-1330533334.jpg

 

As pessoas no trabalho a encaravam de forma diferente, uma certa cautela espreitava os olhos deles. Sempre recuavam um passo conforme ela se aproximava e mantinham uma distancia estudada.

Karen não estava, como ela já deveria supor. Sua mesa meticulosamente arrumada encontrava-se vazia. Exceto por uma carta sofisticada deixada propositalmente próxima a um porta-retratos com uma foto das duas. O envelope era vermelho, selado com uma fita de cetim. Seu nome constava numa letra cursiva muito elegante.

Lorah a abriu.

No interior havia um cartaz convidando todos para a festa da lua que aconteceria em alguns dias, num galpão abandonado no centro da cidade.

 

Espero você lá.

                            Beijos,

                                               Karen

 

A letra e o convite de Karen eram tão sensuais quanto seus lábios rubros.

Lorah guardou o envelope em suas vestes e mal percebeu que estava sorrindo. Continuar lendo “The Bite Pt. 2 – Fome Abrasadora”

O Canto do Oceano {1}

O Canto do Oceano.jpg

Do Firmamento ao Oceano

Jamaica, Port Royal, 1668

O patíbulo estava armado e os laços da forca iam de um lado ao outro em um balanço débil, causado pela brisa primaveril. A população se aglomerava ao redor à espera dos prisioneiros; quase todos acusados de pirataria. Enfileirados, presos pelos grilhões, eles caminhavam em direção à morte certa. Era difícil definir todos os sentimentos que passavam pelos rostos das pessoas que observavam; semblantes de raiva e contentamento, outros de nojo, e apenas alguns de pena. Continuar lendo “O Canto do Oceano {1}”

A Irmandade Dos Bruxos Modernos (Pt. 20) – América

12540719_942052865876134_1984882379435933989_n

Capítulo 20 – América

Escrito Por: Alfredo Dobia

— Adoro chegar em casa! — afirmou Valter enquanto caminhava em passos curtos em direcção a geleira.

Ele pegou duas cervejas e lançou uma delas ao Chris. Estavam exaustos após a viagem de regresso a Nova York, e tinham de recarregar as forças para enfrentarem a batalha que se avizinha. Porém, Lúcia e Sasha largaram suas malas no chão da sala e juntas foram até o quarto. Sasha a encarava curiosamente, como se estivesse esperando que Lúcia narrasse algo que ela vem esperando ouvir desde o primeiro dia que soube, até que Lúcia, preparando-se para entrar no banheiro, notou o olhar fulminante da amiga e disse:

— O que foi Sasha? Que olhar é esse agora?

Sasha estava sentada, apertando uma das almofadas da cama confortável da Lúcia. Continuar lendo “A Irmandade Dos Bruxos Modernos (Pt. 20) – América”

Donna – Irrecusável (Pt. 9)

Donna (Pt 9)

Donna

Capítulo 9 – Irrecusável

Escrito por: Lua Morgana

L

*

Aquela noite havia se arrastado, pensei em mil possibilidades e não cheguei a conclusão nenhuma. Acabei me entregando ao cansaço físico e mental, apaguei. Acordei no dia seguinte, meio dia, quando a empregada havia chegado para limpar o meu apartamento, como ela sempre fazia todos os dias a tarde, enquanto eu estava trabalhando.

Continuar lendo “Donna – Irrecusável (Pt. 9)”

Pavilhão Cinza Pt. 3- O Resgate de um Corpo

Por: Natasha Morgan

O negociador estava atrasado.

Em trinta anos de carreira acadêmica, chefiando os interesses da universidade sempre tratou da negociação dos espécimes na hora exata.

O comércio era simples e dentro da legalidade. Ao menos ninguém jamais cogitou inquirir a universidade acerca de onde conseguiam os corpos para os alunos estudarem. Ambos os lados lucravam. O conhecimento e o cofre do Colônia.

O dinheiro era entregue e os carniceiros – assim os chamava Palmer devido à aparência grotesca – descarregavam o caminhão nos fundos da instituição, longe dos olhos curiosos dos alunos. Não precisavam saber de onde vinha a matéria prima para seus estudos.

Palmer era um estoico. Sempre elegante em seu tweed cáqui. A ideia de corpos misteriosos vindos de um hospital psiquiátrico não lhe assombrava as noites desde que houvesse um meio para seus alunos aprenderem e se tornarem excelentes profissionais. A causa da morte não lhe era pertinente. Nem os meios pelos quais eram transportados ou a sepultura vazia que deixavam diante de mães chorosas.

Continuar lendo “Pavilhão Cinza Pt. 3- O Resgate de um Corpo”