A Irmandade Dos Bruxos Modernos (Pt. 20) – América

12540719_942052865876134_1984882379435933989_n

Capítulo 20 – América

Escrito Por: Alfredo Dobia

— Adoro chegar em casa! — afirmou Valter enquanto caminhava em passos curtos em direcção a geleira.

Ele pegou duas cervejas e lançou uma delas ao Chris. Estavam exaustos após a viagem de regresso a Nova York, e tinham de recarregar as forças para enfrentarem a batalha que se avizinha. Porém, Lúcia e Sasha largaram suas malas no chão da sala e juntas foram até o quarto. Sasha a encarava curiosamente, como se estivesse esperando que Lúcia narrasse algo que ela vem esperando ouvir desde o primeiro dia que soube, até que Lúcia, preparando-se para entrar no banheiro, notou o olhar fulminante da amiga e disse:

— O que foi Sasha? Que olhar é esse agora?

Sasha estava sentada, apertando uma das almofadas da cama confortável da Lúcia.

— Diz, como foi? — ela disse, curiosa.

— Como foi o quê?

— Dormir com um bruxo sexy, lindo, perfeito e super inteligente — Lúcia riu, lembrando rapidamente de cada detalhe daquele mágico momento. — Eu estava morrendo de vontade de perguntar isso desde o nosso regresso pra cá.

Lúcia se sentou perto dela, oferecendo um leve sorriso a amiga.

— Olha Sasha, pra falar verdade, eu nunca imaginei que perderia a minha virgindade num lugar tão inapropriado como uma mata, propriamente falando. E principalmente nos braços de um bruxo. Mas eu não acredito que diferente seria melhor, porque aquilo foi sublimemente fascinante. Sentir os seus lábios colados aos meus. Sua respiração acelerada que me deixava com mais vontade de tê-lo junto de mim. Seu olhar dominante me envolvia da carne a alma. Seu jeito carinhoso e cuidadoso de me tocar que fazia meu corpo obedecer a cada movimento dele, seus… — Lúcia soltou um suspiro, abanando a cabeça como uma criança emocionada.

Sasha arqueou as sobrancelhas, com os olhos brilhando de felicidade.

Ela parecia tão feliz quanto Lúcia.

— É uma pena isso estar acontecendo em meio a tanta confusão — lamentou ela. — Mas fique sabendo que quando isso tudo acabar, agente vai dar uma mega festa em comemoração a tua entrada do mundo dos não virgens.

— Cala-te sua louca! — Lúcia disse, lançando-a seu panda de peluche. De seguida, se levantou e caminhou até o banheiro novamente.

Algumas horas depois da janta. Os Anderson experimentavam diversos tipos de feitiços para descobrir o que se passava com a Sasha.  Não era comum, uma jovem morena de vinte e poucos anos de idade, derrubar cem criaturas sobrenaturais de uma só vez. Aquilo era algo que eles simplesmente não podiam deixar passar. Mas suas tentativas não resultavam em grades êxitos mesmo buscando ajuda em diversos tipos de livros de magia — havia vários deles espalhados a sua volta, incluindo o livro de gerações e ainda assim tudo dava errado, até que eles chegaram a conclusão de que era preciso muito mais do que meros feitiços e livros para chegar ao misterioso poder que a bela jovem morena provavelmente carregava.

Notando a expressão de decepção nos olhos dos Anderson, por não conseguirem descobrir nada a respeito da Sasha, Lúcia encarou-os na tentativa de diminuir o clima tenso que rolava entre eles, desviando então suas mentes irritadas pela impotência dos seus feitiços.

— Sem quer ser egoísta malta, lembrando que esse é o momento da Sasha — Lúcia disse. — Mas eu preciso mesmo de perguntar o que mais falta para derrubarmos Cyrius? Quer dizer, já temos a tão preciosa folha da planta. Então qual é o passo a seguir?

Suas palavras acabaram esvaindo maliciosamente, e ouvi-la falando de acabar com alguém, sabendo que isso significava matar um homem, que apesar dos seus actos macabros, ainda era um ser humano, deixou Sasha quase assustada. Apesar de tanta infelicidade em sua vida, Lúcia sempre foi uma mulher cheia de ternura, calma e doce. Ela sempre carregou consigo um alto carinho pelos outros, até mesmo os que não merecia — mas quando o assunto era Cyrius, Lúcia só pensava em morte. Ela sentia que aquele homem havia tirado o que ela mais amava, sua família e agora também seu melhor amigo e Sasha sabia que aquela cede de vingança, ódio e raiva, só desapareceria nos olhos e na voz da amiga quando o causador daquela transformação sucumbisse por completo.

— Bem, para começar — disse Chris, fechando o livro de gerações, seguido de outros livros a sua volta. — Ainda nos falta o feitiço de transferência.

— Que feitiço é esse? — indagou Sasha, curiosa.

— O feitiço de transferência é um feitiço extremamente pesado. Ele transfere qualquer poder de um corpo para o outro. No nosso caso, este feitiço será usado para transferirmos o poder da folha em uma arma levemente palpável e de fácil manejamento.

— E do que estamos a espera? — Lúcia quis saber. — Porque ainda não fizeram o feitiço?

Valter se virou pra ela, minuciosamente.

— Calma mocinha! — ele disse, torcendo o nariz. — Você está em uma guerra, não se pode fazer as coisas de forma apressada ou confusa. Dessa forma você não chega muito longe.

Lúcia soltou um leve suspiro, notando sua alteração.

— Me desculpem, é que não consigo estar totalmente calma, sabendo que à cada hora que passa minha mãe e meu melhor amigo estão padecendo nas mãos de um bruxo psicopata.

— Eu sei que você está preocupada, é natural que isso acontece — disse Chris, solenemente. — Mas você tem que pensar de forma positiva e lembrar das palavras que eu disse no deserto. Cyrius não vai encostar nenhum fio de cabelo neles, ele precisa deles pra chegar até você. E você tem que ser forte e estar preparada para o que se avizinha, não será fácil vencê-lo…

Enquanto Chris falava, Valter Anderson folheava um dos livros a sua volta, livro este não muito diferente do livro de gerações. Sua capa era escura e velha, mais com desenho de várias relíquias antigas.

— Achei! — anunciou Valter, e o resto do pessoal curvaram seus olhos em atenção a ele. — Aqui diz que o feitiço está escrito em um pergaminho antigo e guardado no bar dos Humánimol.

— Humánimol! — Lúcia e Sasha repetiram em coro.

Valter Anderson soltou um curto sorriso, feliz em saber que iria no bar dos Humánimol. Chris encarou o irmão, como se soubesse o que se passava naquela cabeça meio insana. Logo depois, começou a falar.

— Os Humánimol são uma das espécies sobrenatural mais antiga do mundo. Eles são híbridos meio homem meio animal. Devido o seu poder de transformação. Cada Humánnimol tem a capacidade de se transformar em um animal diferente, mas só os animais mais fortes, desde Lobos, Tigres, Ursos, Leões e assim por diante.

Lúcia e Sasha não paravam de se surpreender com os segredos do mundo sobrenatural. Quem poderia acreditar que aquela coisa era verdade? Mas depois de tudo que elas já presenciaram e enfrentaram, não era mais muito difícil acreditar numa coisa tão bizarra como essa que os seus ouvidos acabaram de ouvir.

— Assim como na selva — Chris continuou —, os Humánimol também são liderados pelo animal mais forte. Aquele que tem o poder de se transformar em todos os animais que quiser, cuja o seu lado animal principal é o famoso, o mais temido e violento, bem — ele fez uma pausa… — falo propriamente de um Leão.

— Nossa, Deny iria morrer de emoção se ouvisse isso — disse Sasha, maravilhada. Por alguns segundos a tristeza invadiu seu coração novamente ao lembra do amigo. Imaginando o coração dele pular do de alegria ao ouvir histórias daquela dimensão.

— O rei dos Humánimol ganhou seu título após defender sua espécie de um massacre que causou a morte de sua esposa e seus dois filhos tigres. — Valter disse.

— Como assim tigres? Por acaso herdaram o lado da mãe? — Sasha quis saber.

Valter assentiu com a cabeça, em concordância.

— Ao menos não tinham regras ridículas — comentou Lúcia, encarando Chris Anderson.

Sasha riu.

— Mas continuado — prosseguiu Valter. — Os Humánimol tinham uma forte guerra com os humanos comuns — Valter torceu o nariz novamente. Na verdade não eram tão comuns assim. Eles eram uma sociedade secreta que sabiam da existência dos Humánimol e estudavam anos e anos diversas formas de acabar com aquela espécie sem preocupar a população de lagos.

— Lagos é a capital da Nigéria não é? — indagou Sasha, perplexa.

— Exactamente! Foi lá onde tudo começou. Eles se sentiam ameaçados devido os inumeráveis corpos desmembrados que apareciam nas cidades, corpos completamente estraçalhados pelos Humánimol mais violentos, aqueles que não obedeciam as leis dos seus líderes na altura. Aqueles que deixavam seu lado animal falar mais alto que seu lado humano. Aqueles que matavam todos que se intrometessem nos seus caminhos, inclusive seus próprios irmãos.

A história dos Humánimol estava repleta de sangue, dor, vingança e destruição. A sociedade secreta, ou os homens do círculo, como eram cognominados na altura era uma sociedade muito bem treinada e preparada para acabar com a espécie Humánimol, incluindo até mesmo os menos violentos. Eles tinham tudo bem planejados para acabar com aquela espécie em um único masacre. Mas no grande dia do ataque, um dos Humánimol mais poderoso não estava presente com seus irmãos, ele saíra em busca dos responsáveis das mortes dos humanos comuns. Conhecido como o Grande Marcos, aquele homem era extremamente forte e não tolerava desobediência aos grandes reis, seus princípios era de um homem que sempre buscava por justiça de forma que as leis de sua espécie eram estabelecidas.

Porém, em seu regresso, Marco presenciou sua família e seus líderes sendo massacrada até a morte, pela Sociedade Secreta pegos de surpresa como meros vermes rastejantes — e aquilo o trouxe uma força nunca antes vistas por Humánimol nenhum. Naquele momento a ira o cegou completamente e destruiu todos os seus bons princípios que ele carregava em seu coração.

Marcos quase matou todos os homens do círculo, até ser travado pelos bruxos do conselho que buscavam por uma mulher bruxa perdida de sua identidade. Os bruxos o acalmaram e trazerem-no a razão, mostrando-o que ele estava se transformando naquilo que ele mais reprovava. Matar aqueles homens todos não traria sua família e seus irmãos de volta, e dessa forma ele aceitou a ajuda dos Bruxos Do Conselho que de seguida lançaram um feitiço na mente dos homens do círculo.

Aquele feitiço apagaria todas as lembranças dos Humánimol existente na mente de cada homem da Sociedade Secreta. E logo depois de tudo aquilo, os últimos Humánimol vivos o elegeram como novo rei de sua espécie.

— Você disse que tudo começou em lagos, a capital da Nigéria — Reforçou Lúcia. — Então, onde eles se encontram agora?

— Assim como os bruxos, eles foram espalhados em várias partes do mundo. Ainda existem vários em África, mas pela nossa sorte, existe uma loja perto das pistas de gelo em Central City onde habita o Humánimol mais poderoso — explicou Chris. — Então preparem-se que é pra lá onde agente vai agora.

— Mocinhas… — Valter disse, emocionadamente. —, hoje é o vosso dia de sorte, porque vocês estão prestes a conhecer uma das espécies sobrenatural mais antiga do mundo e super divertido de conviver.

Chris abanou a cabeça. Conhecendo perfeitamente o motivo da estrondosa felicidade do irmão.

 

 

Continua…

Gostou? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s